8 de Junho de 2017

Por uma organização geracionalmente positiva

“The Intern” é um bom ponto de partida para uma análise sobre a realidade das organizações e para a necessidade de resolver conflitos entre pessoas de diferentes gerações.

Portugal já tem mais de 50% da sua população com mais de 40 anos de idade e quase 30% tem mais de 60 anos, uma realidade cada vez mais comum no mundo, principalmente nos países mais desenvolvidos. A longevidade levou-nos a viver mais anos, tendencialmente com melhor saúde, e isto tem como consequência o querer, ou poder, ou precisar, trabalhar até mais tarde. A este fenómeno demográfico soma-se a sustentabilidade das economias e a necessidade de criar condições para que as pessoas sejam economicamente contributivas até mais tarde.

A questão que se coloca, com os tradicionais modelos de gestão organizacionais e com as políticas de gestão de recursos humanos predominantes, é a nível geracional: como promover a entrada e ascensão dos mais jovens, deslocando os mais velhos dos lugares de topo, de forma que o capital de conhecimento e de experiência da organização seja preservado?

Pode consultar o artigo completo na Edição #04 da Revista Game Changer

por ANA JOÃO SEPULVEDA
Managing Partner 40+ LAB