18 de Julho de 2018

A vida é uma montanha russa: temos muitos altos e bastantes baixos

Com o tempo, com a idade e com a experiência que adquirimos, começamos a pensar cada vez mais e mais na forma como estamos a viver, como vai ser o futuro, que ideias queremos deixar aos nossos filhos, amigos, família…

Acho que quando chegamos aos 40, sofremos mesmo com a crise da meia-idade. E não é aquela crise em que as pessoas ficam um “bocadinho malucas”, em que compram um carro desportivo, mudam de esposa, de emprego ou fazem coisas um pouco mais extremas. É muito mais que isso: pensamos em qual é o nosso propósito, a nossa ideia para viver a vida. Acho que é mesmo aos 40 que começamos a debater-nos com estas questões.

Eu estou nessa idade, nos 40 e poucos. E é verdade, penso várias no que é mais importante da minha vida. E, afinal, ser feliz é a coisa mais importante na vida. Não é ter mais carros, mais dinheiro, mais ações ou mais prestígio. Nada disso. O que é muito importante é deixarmos um bocadinho de nós às pessoas que amamos, aos nossos amigos, à nossa família, aos nossos colegas.

Consulte o artigo completo na Edição #6 da Revista Game Changer

por Tim Vieira
CEO da Bravegeneration